O transporte rodoviário de cargas no Brasil e as expectativas de negócios para 2022

O transporte rodoviário de cargas no Brasil e as expectativas de negócios para 2022

08/08/2022 16:22:18

Modal é responsável por 65% do transporte de cargas no País e 75% do transporte de toda nossa produção passa pela malha rodoviária. Expectativas para 2022 são cautelosas e otimistas

De acordo com o “Relatório Executivo do Plano Nacional de Logística 2025”, a economia brasileira é altamente dependente do transporte rodoviário. Cerca de 65% do transporte de cargas do Brasil passa por nossas rodovias. 

No mesmo sentido, o levantamento da Fundação Dom Cabral mostra a presença ainda maior ao modal, que pode chegar até a 75% da matriz de transportes. Para termos uma ideia precisa do que isso significa, basta dizer que somente 9,4% das cargas passam pelo modal marítimo; 5,8% pelo aéreo; 5,4 % pelo ferroviário; 3% via cabotagem e apenas 0,7% no sistema hidroviário.

Dados do Banco Mundial indicam que58% do transporte de passageiros e carga do Brasil é realizado por rodovias, o que o deixa em primeiro lugar no ranking nessa modalidade, seguido da Austrália que possui 53% do transporte por rodovias.

Tamanha dependência, dizem os especialistas, compromete a competitividade dos produtos brasileiros, em especial no mercado internacional, uma vez que os gastos com transporte podem representar até 7% do PIB nacional, conforme levantamento da Confederação Nacional dos Transportes (CNT). 

O ano de 2021 foi um ano de grandes desafios, com incerteza econômica e política, inflação e aumentos consecutivos dos combustíveis, porém, o setor de transportes de cargas não foi impactado por tantas adversidades, como indica o relatório “Índice da Movimentação de Cargas do Brasil”, desenvolvido pela AT&M, que mostra que o Brasil registrou R$ 3 trilhões em movimentação de cargas no primeiro quadrimestre do ano passado. No mesmo período em 2020 foram contabilizados R$ 2,1 trilhões, um aumento de 38%. De janeiro a abril do ano passado, cerca de 327 milhões de documentos e pedidos de transportes foram realizados. No mesmo período do ano retrasado, foram 185 milhões de averbações.

Fato é que a Covid-19 não impactou no desempenho do transporte de cargas, que teve resultados animadores no e-commerce, por exemplo; e as perspectivas para o ano de 2022 se mostram muito mais positivas, com fortes indícios do fortalecimento e prosperidade para o meio de transporte de cargas e logística. 

A AGEX Transportes Urgentes, especialista no transporte rodoviário de cargas com transferências diárias entre São Paulo e o Paraná, preparou esse artigo com as principais informações acerca da modalidade e quais tendências devem permanecer em 2022. Confira:

 

  • Características do transporte rodoviário de cargas

Modalidade como vimos mais utilizada no Brasil, o transporte rodoviário de carga tem acesso a mais locais do Brasil e complementa outros modais, como o transporte marítimo e aéreo.

Possui, se comparado a outros modais, o menor custo para manutenção e troca de peças, e é o mais acessível para o profissional autônomo. Atende diversas situações de transporte da carga com diferentes tipos de veículos estrategicamente escolhidos de modo a evitar a sobrecarga ou desperdício de capacidade, impedindo que haja um investimento maior que o necessário.

 

  • Principais gargalos logísticos que impactam na operação

Os gargalos logísticos são os obstáculos que influenciam no processo e impactam nos resultados das empresas, inclusive com relação ao transporte rodoviário de cargas. São os responsáveis muitas vezes pela insatisfação dos clientes, que se refletem na lucratividade.

Entre os principais gargalos que impactam na operação estão as inapropriadas condições das estradas País afora, o valor dos pedágios, as distâncias a serem percorridas, más condições dos veículos, restrições de circulação e falta de segurança. Eles se refletem no aumento dos custos, na redução da produtividade e na menor qualidade do serviço prestado.

 

  • Oportunidades do agronegócio para o transporte rodoviátio de cargas

O transporte rodoviário de cargas é de fundamental importância para o agronegócio, deslocando suprimentos dentro da própria produção (como os alimentos dos animais e os itens necessários à plantação) e o transporte de cargas para que os produtos alcancem o consumidor final.

Também é essencial para a intermodalidade, levando a carga até outro modal, como o aéreo, marítimo ou ferroviário.

O agronegócio continua oferecendo oportunidades de negócios para o transporte rodoviário de cargas crescer, e cresceu no ano passado, 65% no primeiro semestre, segundo levantamento divulgado pela Fretebras, que divulgou que os fretes do setor produtivo representaram 37% da movimentação da plataforma no período, com uma movimentação que chegou a R$ 10,8 bilhões. O agro cresceu 69% neste período. Os maiores volumes de fretes acontecerem em São Paulo (21,5%), Minas Gerais (15,7%) e Paraná (13,2%). Os estados que mais cresceram foram Tocantins - 170%, favorecido pelo maior plantio de soja; Piauí, com alta de 145%, também levando em conta um aumento na produção de grãos e Sergipe, que surpreendeu graças à inauguração de uma fábrica de fertilizantes da Unigel, com capacidade de atender ao consumo da América do Sul. O Brasil é o maior importador de fertilizantes, o que impacta na necessidade de transporte até onde serão utilizados.

 

  • Tecnologias para o modal que continuam em alta em 2022

A tecnologia oferece soluções inovadoras que resultam no aumento da eficiência, otimização de processos e redução de custos. Com esses dados, o gestor pode, com mais agilidade, adotar atitudes mais assertivas.

Dentre as ferramentas que já vem sendo utilizada e que continuarão tendência em 2022 destacamos:

- Roteirizador, ferramenta extremamente valiosa para o transporte rodoviário de cargas fracionadas, planejando as melhores rotas de entregas dos produtos, analisando o percurso/trânsito e definindo o dimensionamento do tamanho do caminhão por meio do volume de carga, o que impacta na otimização do tempo e redução dos custos;

- Rastreador, ferramenta utilizada para localizar e monitorar um veículo por meio de serviços via satélite GSM/GPRS e radiofrequência, utilizando computadores, tablets e smartphones. Os dispositivos aumentam a segurança do veículo e permitem que envios de alertas e bloqueio de veículos;

- Monitoramento mobile, monitorar as cargas por meio de aplicativos fornecem informações com maior agilidade, para o gestor e para o cliente;

- Business Intelligence (BI), sistema que possibilita ao gestor antever problemas, correlacionar causas e auxiliar no processo de tomada de decisões. Ajuda a determinar o custo real do frete, a identificar falhas na operação, detectar riscos e oportunidades de negócios e ainda gera relatórios que geram economia;

- Telemetria, ferramenta que aumenta a segurança dos colaboradores, facilita o gerenciamento da frota e mostra onde é possível reduzir os custos, já que fornece informações e controles relacionados ao desempenho do veículo, motorista e da operação, por meio de diversos sensores instalados no veículo. O sistema, analógico ou digital, mostra a distância percorrida pelo veículo, detecta se a velocidade excedeu o que é permitido, mostra o tempo que o veículo ficou parado, disponibiliza dados de consumo de combustível e gera relatórios para averiguar a jornada de trabalho do motorista; e

- Sistema TMS, o Sistema de Gerenciamento de Transportes realiza o planejamento, controle e gestão de todos os processos relacionados ao transporte de cargas. Traz informações fidedignas sobre as operações, organizando as operações de transporte rodoviário de cargas por meio de planilhas que auxiliam o gestor a ter uma visão sistêmica do que acontece e informações em tempo real sobre as entregas.

 

  • Expectativas para 2022

Mesmo com as adversidades, as expectativas para 2022, ainda que moderadas, são otimistas. Empresas do setor de transporte rodoviário de cargas esperam uma retomada maior no consumo dos brasileiros com o avanço da vacinação contra a Covid-19, que vem gerando mais confiança em diferentes setores, empresários e consumidores, e claro, esse modelo de transporte faz parte desse cenário com previsões mais animadas.

A instabilidade econômica, a crise energética e o aumento do combustível ainda causam receio e freiam investimentos vultuosos, mas já é possível pensar um pouco fora da caixa.

Depois de tantas adversidades, as empresas agora respiram mais aliviadas e já percebem uma recuperação gradual do volume de carga transportada.

 

A AGEX Transportes Urgentes compartilha o desejo de uma maior prosperidade do mercado nacional e investe em constantes melhorias no transporte rodoviário de cargas, para oferecer entregas mais rápidas, diretamente ao destino coo o melhor custo-benefício.

Top